sábado, 25 de agosto de 2012

Um tributo aos ateus e a Aleluia de Häendell







Eu sou cristã  (ou melhor, tenho uma ética cristã, apesar de  não seguir nenhuma religião.)
E resolvi deixar um tributo a todos os ateus da humanidade.
Não se trata de proselitismo, muito menos de deboche ou ironia ferina.
Deixo meu tributo como sinal de amizade e admiração.
Não por todos os ateus e não pelo simples fato de assim se considerarem.
Quero cumprimentar estas pessoas que ousam viver sem as amarras da religião,
Ousam buscar uma liberdade sem o temor de um juízo final,
Sem as temeridades do inferno ou as promessas de um gozo eterno celestial.
Estes preferem viver o paraíso enquanto podem, nesta existência real que é a única 
sobre a qual temos algum poder.
Abandonaram as muletas existenciais, aliviaram a consciência do fardo pesado do pecado e decidiram viver de maneira ética e decente, independente de qualquer crença.
Estas pessoas não acreditam que a espiritualidade pode ser governada por um ente  supremo representado por líderes inescrupulosos.
Questionam a validade dos cânones e dogmas, avançam livremente sobre a seara do saber, livres de toda teologia, filosofia ou ideologia que os petrifiquem em uma condição devota.
São livres, estes ateus... livres para viver como a maioria dos religiosos não é!
Não se chateiem os amigos cristãos com esta aparente heresia, é que eu também sou atéia nos aspectos que posso louvar. Não que eu não tenha um Deus, não que eu não seja mais cristã, mas não estou presa aos denominacionismos, institucionalismos e cristianismos excêntricos que se tem criado com a única intenção de fazer prosperar o negócio religioso.
Deixo meu tributo para que ateus e cristãos possam caminhar juntos para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária, sem os atuais abismos que nos separam, sem a cegueira que nos faz tropeçar.
Espero que um dia todo ateu e cristão possa usufruir de uma fé amadurecida e independente ou que possa estar certo de sua posição, mas não por causa da religião, e sim pelas descobertas de sua própria peregrinação nesta Terra.


Aleluia de Häendell - Concert Des Lycées 2005 -
Le Messie - Hallelujah

Reações:

47 comentários:

Roni Sauaf disse...

Liiiiiiiii!!!

Arrasou. Sem palavras........

Terre Nunes disse...

Mas o que que é isso, guria!

Essa até arrepiou, ainda mais com a Aleluia no final pra arrematar. Sou ateu e não mordo, ao contrário, sou bem mansinho e melhor que muita gente adestrada em templos por aí. Nunca me senti tão bem retratado em minha espiritualidade, nem com tanta justiça. Valeu.

Anna disse...

Eu, além de cristã acredito e confio mto em Deus e não poderia viver sem minha fé. Creio no Deus do impossível, Aquele a quem posso sempre recorrer que vai estar sempre lá, que olha por mim e pelos meus, que me socorre nas horas de aflição e me livra de todo mal. Mas sem dúvida este é um texto belíssimo que nos faz compreender um pouco melhor os ateus, embora eu confesso que talvez por condicionamento, posso estar errada, não gosto nem da palavra "ateu", mas os respeito mto, como quero ser respeitada. De todo modo parabéns, igualmente.

Luiza disse...

Eu sou atéia graças a deus........ rsrs....
Dizem que não existe ateu em desastre de avião, não é? Mas, até prova em contrário, para mim não existe uma entidade que centraliza e governa tudo, para alguns até um ser com quem realizam trocas comerciais do tipo: bom, meu camaradinha, eu vou na missa, faço umas preces, canto, te louvo, abraço de má vontade os fieis que estiverem ao meu lado, tento fazer o bem meio a contragosto, e em troca tu me descola aí umas bênçãos, me protege de tudo, me faz acertar na megasena acumulada, faz meu time ganhar o campeonato, me leva pro céu..... saca né véinho? Como se tivessem algum poder de alterar a vontade de Deus, se este existisse. Respeito os religiosos e tal, sei que mtos deles são bons, mas também quero ser respeitada na minha condição de atéia. E esse texto é mto bom para isso, deveria ser lido por todas as pessoas que pensam que ateus são criaturas do mal, sem coração, sem moral, ou até mesmo do capeta.

Super valeu!!!

Marlon Sérgio disse...

Lilly, você não se cansa mesmo de se superar, não é?

Concordo com os amigos acima. Roni tem razão, belo, belo mesmo esse teu texto, a canção escolhida...perfeito!
Olha, como você sabe, eu sou um cristão protestante por escolha e convicção, mas, a exemplo do companheiro Nunes, eu também arrepiei ao ler teu artigo!

A cada nova postagem tua, tenho mais certeza de que eu não poderia ter encontrado melhor parceria para desenvolver um bom trabalho neste blog.

Parabéns mais uma vez, nossa BEAUTIFUL MIND!!!

Luiz Claudio disse...

Eu proponho o seguinte, vamos lançar um movimento humanitário em favor dos discriminados ateus e usar esse texto como pto de partida.

Agora sério, caso alguém não saiba, dentre as minorias que sofrem preconceito, os ateus figuram em primeiro lugar, mais do que negros, gays, judeus, mulheres, etc. Foi perguntado a um gde grupo de pessoas: dessas minorias citadas e outras, em quem não votariam de jeito nenhum para presidente, e a esmagadora maioria respondeu "ateus".

Resumo da ópera: belo texto, bela argumentação, e pra completar, lindíssima música, inspirada e inspiradora, evocando união entre os seres humanos, Jesus Cristo (que nada tem de filho de algum deus), a alegria ("aleluia") de finalmente chegar-se à paz entre os povos, alegria por Jesus ter vindo e nos deixado tão belo e importante legado. E uma alegria também foi ter saboreado essa delícia de criação neste blog mto bonito e de conteúdo excelente.

Renan disse...

Bom, sou católico praticante, e como tal creio mto em Deus, Ele é mto importante na minha vida, e não me sinto um religioso hipócrita, medroso e bitolado como mtos, além de respeitar pessoas de qq crença, mesmo os ateus. Antes de conhecer a religião, ou falta de, de alguém, procuro conhecer seu caráter.

O que tenho a fazer é um elogio a este primoroso trabalho em que texto e música aparentemente são contraditórios, mas foi uma gde sacada, pq na verdade se complementam com perfeição, até num sentido de união entre ateus (o texto) e não ateus (a música). E não é contraditório também porque a "Aleluia" se refere a Jesus, não a Deus, e Jesus o que mais pregava era a compreensão, tolerância e união entre os homens, tudo que é dito no texto.

Cínthia disse...

Não gosto de rótulos, mas poderia considerar-me o que chamam "agnóstica", isto é, creio firmemente que ninguém conhece a verdade sobre a origem da existência e do universo e admito minhas incertezas, sem me preocupar com elas. Acredito no bem e no auto-aperfeiçoamento constante, de modo que me considero espiritualizada, já que procuro sempre lapidar meu espírito.

Este post foi de certa ousadia, pode provocar reações as mais diversas, boas ou más, ou mesmo incompreensão dos menos sensíveis sobre pq vincular um texto em tributo aos ateus a uma música sacra. Mas achei-o bom, mto bom mesmo, valeu a pena ter conhecido este blog e esta pérola, além de outras que já andei observando por aqui.

Lilly disse...

Marlon, fiquei bem feliz por vc ter gostado, estava receosa de que não aceitasse de jeito nenhum esta postagem. Então, vc também não cansa de se superar, de me surpreender. Qdo penso que já sei tudo de bom sobre vc, ainda tem mais.

Bom, como sabe, gosto de ter meu trabalho reconhecido - não por necessidade de confete, mas pq isso me estimula, inspira e energiza a dar sempre o meu melhor. Mas também não é assim, não sou uma criança birrenta que quer amém p/tudo, aceito e preciso das tuas críticas - e se às vezes pareço diferente, são meus momentos "bichinho espinhento e mimado", vc sabe que são puro fogo de palha.

Em suma, tantos elogios assim, se por um lado me contentam, por outro me deixam meio sem jeito, sabendo que não sou esse ser supremo que vc pensa, apenas tenho alguns lampejos de inspiração - e isso não é falsa modéstia, é a pura verdade.

Também não vou me desmerecer, sei que não sou nenhuma medíocre, tenho meus diferenciais e realmente, colaboro legal p/ o blog. Mas isto pq NÓS DOIS formamos um time afinado, vc tb é bom, além de me oferecer todo esse suporte técnico, visual e emocional p/que eu possa criar livremente, e sabendo que minhas criações serão valorizadas por uma moldura linda, criada por vc. Enfim, não sou A beautiful mind, NÓS DOIS somos beautiful minds (and souls.) Se não tivéssemos a mesma capacidade, a mesma sensibilidade, nossas afinidades, nada funcionaria p/a gente.

Obrigada.

Lilly disse...

Amigos

Desta vez não vou responder um por um, acho mais legal falar a todos de uma vez só. Estou mto. satisfeita por terem gostado da postagem, e mais ainda pela tolerância e respeito de todos, ateus e não ateus (sem falar no alívio que sei que é aos ateus e céticos como eu sou em parte sentir-nos compreendidos, acompanhados.) Acho que essa pequena mostra de compreensão e civilidade de vocês já dá pra se ter alguma esperança de que o ser humano tem jeito, né?

Mas aguardemos, ainda pode vir chumbo grosso por aí... rsrsrs

Vocês são todos ótimos!

Leonardo disse...

Tudo é uma questão de acreditar em quem pode mudar a vida do homem, se é Deus ou o próprio indivíduo. Contextualizando com o assunto musical, o mercado gospel tem crescido muito e boa parte da renda gerada dessa forma vai para grupos que estão diretamente ligadas à alguma atividade social para as classes mais carentes. Do outro lado da moeda, poucos os artistas de outros nichos que se veem verdadeiramente como agentes de mudança, encrustados na cultura da sociedade. Independente da luz que esteja guiando as pessoas como se fosse um farol, as pessoas sabem reconhecer quem é ´´do bem´´ e quem é ´´do mal´´. São caminhos diferentes e que nem sempre funcionam na maneira que deveriam...

Sidnei disse...

Diante do pragmatismo ateu desse tributo de um crente deixo a minha homenagem em símbolo de aceitação dessa amizade entre homens de boa vontade aqui :

http://www.youtube.com/watch?v=nbJx3ctusJg&playnext=1&list=PL8E821C5331AC46A6&feature=results_main

Uma beijoca "au bout de ton petit nez", LillyChérie !

SRJr®

Lilly disse...

Nossa, que coisa linda, Sidnei!

Pelo visto você entrou bem no clima que eu tentei criar...

Beijão pra ti, mon cher, e obrigada pela colaboração... tomara que todos ouçam para o clima ficar mais inspirador ainda...

Sidnei disse...

P.S : Muito embora eu faça uma nítida distinção entre ateu e a minha auto definição de agnóstico.

Diferenças que no fundo são irrelevantes ao meu ver diante da nossa condição de seres humanos de cada dia . . .

Re-bisous et plus encore de zoubis.

SRJr®

Ana Paz disse...

Sou Católica praticante e tenho muita fá em Deus!Cristãos, Ateus, Agnósticos, Budistas, Islâmicos, Umbandistas, Candomblecistas...Deus ama a TODOS, sem distinção.Ao criar o homem, Ele o fez dando liberdade não só para acreditar (ou não)em um Ser Onipotente, Onipresente e Onisciente, como também interpretá-Lo das mais diversas formas. Mas no final, o que vale mesmo é que como um Pai amoroso, Deus acolhe todos os seus filhos independentemente das escolhas que fizeram...

Lilly disse...

Léo, vc diz que tudo é uma questão de acreditar em quem pode mudar a vida do homem, se Deus ou o próprio indivíduo. Ok, mas isso se refere à questão da escolha espiritual, qdo. na verdade eu foquei mais a necessidade de amadurecimento da fé tanto dos ateus qto. dos não ateus, assim como da tolerância, compreensão e entendimento que deveria haver entre os dois grupos.

Agora, saber que mto.da renda gerada pelo mercado gospel tem sido dirigida a classes carentes me faz um pouco mais otimista em relação aos protestantes, sobre os quais se costuma pensar que só visam lucro e poder.

Qto.aos artistas de outros nichos, mtos.se comprometem mais c/causas políticas ou ecológicas. Curioso observar que músicos de rock, considerados alienados e egocêntricos por mtos., costumam se envolver fortemente nesse tipo de causa, a ex.de Bono Vox, Roger Waters, o pessoal do Foo Fighters e vários outros.

Sobre bem e mal... minha opinião é que não importa a crença, mas a natureza do indivíduo, assim como sua opção pelo bem ou pelo mal, pq mesmo pessoas de boa natureza tb têm impulsos negativos e o bem não depende só de índole, mas tb de uma firme determinação em segui-lo. No entanto, as religiões são causa de problemas sérios aos indivíduos e à sociedade, e nesse sentido pergunta-se se a fé é mesmo um caminho legítimo.

Lilly disse...

Aninha

Pra você, e desde os meus primeiros tempos na OMED isso já valia, só posso lembrar a canção do Tom Jobim e do "Poetinha" Vinícius: "Se todos fossem iguais a você / Que maravilha viver..."

Lilly disse...

Sidnei

Tb acho que algumas diferenças no fundo são irrelevantes. Eu tb mtas.vezes me defino como agnóstica, mais a título de simplificação. Porém, sendo o agnóstico aquele que admite suas dúvidas, mas aceita a possibilidade da existência de um Deus, este tem uma boa dose de fé. E sendo uma pessoa de boa natureza, além de nortear sua vida por uma ética quase cristã, qual seria sua grande diferença de um cristão que não tenha 100% de fé, como existem tantos?

Re-bisous aussi

Lilly

Ana Paz disse...

Obrigada, Ly!! Bjos!!

Jose(cidinho)phoenix disse...

Ola Lili^^
Parabens pelo texto.Eu Não me considero cristão embora poderia ser enquadrado como um.Eu creio em Deus sim na minha foramd econcepção.e vejo tal entidade co,o uam manifestaçõ da propria força motriz de tarsformação do universo.Assim entedo Deus como aquilo nasce dentro de mim e me conecta com tal universo.Por isso gosto do palavra Namaste que significa "O Deus que habita em mim saúda o Deus que abita em você".rs
Mas gostei do texto.Pois ele não foca o assunto de forma prepotente e sim da a liberdade do pensamento do outro.Sem exigir que para que haja harmonia o outro tenha que pensar exatamente da maneria que eu imagino que el deva pensar.Não esqueçamos que tudo começa a partir do homem pois vivemos em sociedade por isso NÃO A NADA QUE JUSTIFIQUE O ODIO E A INTOLERÂNCIA.Pois se não respeitamos a identidade de cada um toa pouco conseguiremos desenvolver algo beneficio em sociedade.
Grato pelo texto Lili e a todos que conseguirem ver que acima de tudo o mais importante e o que geramos em nosso coração

Jose(cidinho)phoenix disse...

Ha Marlon o site esta muito bom,Esta bem organizado e e visualmente esta bem atraente.Continue melhorando
Abraços Marlon e LIli

Lilly disse...

^^ Cidinho ^^

Eu tb não sou cristã no sentido corrente da palavra, que é pertencer a alguma religião cristã, mas tenho uma natureza legal, uma ética quase cristã, e isso é meu, não me esforço p/ser assim. Embora, claro, tb tenha meus defeitos e impulsos negativos e o bem e o mal são escolhas sempre presentes. E como vc fala em tolerância para com o diferente, aproveito pra te falar o seguinte: assim como acredito que a pessoa de fé deve aceitar, compreender e respeitar o ateu, este tb ser da mesma forma c/o crente. A discriminação acontece de ambos os lados. Mas, de modo geral, o homem de fé é mto. mais aceito pela sociedade (leia o que disse o Luiz Claudio, uma gde. verdade.)

Glauce disse...

Perfeito!

Lilly disse...

(Emoticon com rosto coradinho)

Ceis tão me mimando muito, vou mascarar... eheheheheh

Flor disse...

lilly, mais uma vez...PARABÉNS! Texto maravilhoso! Música Divina!
Amei!
Lilly, não sou religiosa no sentido da palavra em si, mas faço minha conexão com o Altíssimo todos os dias. Ao me levantar , bem cedinho, agradeço por mais um dia em minha caminhada por aqui e peço forças para continuar nessa estrada tão cheia de obstáculos que é a vida.

Um abraço!
Luz & Paz!

Lilly disse...

Eliana, muito obrigada, não só pelos elogios que estimulam e energizam, como por tua presença constante aqui, ajudando em muito a fazer este espaço cada vez mais colorido e luminoso.

Tenho certeza de que o Pai do Céu ouve atentamente tuas preces, porque você tem merecimento e deve receber uma luz toda especial que transmite a cada pessoa do teu convívio, constante e incansavelmente. Que Ele te conceda tudo o que você mais deseja e mantenha teu caminho sempre livre de pedras e espinhos.

Um beijo afetuoso

Cynthia disse...

Que beleza de palavras e música....... estou maravilhada, sinto a mesma elevação de espírito que alguns religiosos dizem sentir......

Sou atéia, embora com minha forma própria de espiritualidade. Como disse o Terre mais acima, nunca me senti tão bem retratada espiritualmente e nem com tanta justiça. É confortador saber que alguém é capaz de nos descrever tão bem, com o respeito e dignidade que merecemos por nossa escolha que, se obviamente não é a verdade absoluta, pelo menos é a nossa verdade, nossa escolha consciente e racional, nós que nascemos com espírito questionador e livre, que não queremos a ilusão da fé e da proteção superior em troca de um paraíso distante e improvável. Queremos o paraíso aqui mesmo, agora, nesta vida terrena, a única sobre a qual temos certeza. Queremos ser justos e éticos, mas não porque alguém disse ou está escrito que devemos ser, mas sim pq nossa natureza nos impele a isso e acreditamos que o bem tem supremacia sobre o mal. Também, assim como os religiosos, queremos e sentimos o sublime, o transcendente, o mágico, o reconfortante, mas de outras fontes, palpáveis e reais.

Lilly disse...

Olá, Cynthia!

Seja muito bem vinda. Belas palavras!

Sabe, eu penso e sinto mto., mas mto. parecido c/vc, embora confesse que tb consigo me beneficiar da possível existência de Deus, de certa forma mimetizando-me c/algumas pessoas de fé - aquelas que me inspiram - e até conseguindo me colocar no lugar delas, intuindo como se sentem diante da divindade e sentindo junto c/elas suas mesmas sensações. Mas minhas afinidades maiores, de maneira geral, são c/os ateus e céticos, e, qdo. necessário me classificar, me sinto agnóstica (embora isso seja simplista demais p/abarcar minha espiritualidade - assim como sinto que o rótulo de atéia não descreve totalmente pessoas como vc.)

William Saida disse...

Que grande prazer ler um texto como este, e ainda coroado pela impressionante e evocativa Aleluia de Haendel......

Ainda há vida inteligente (e sensível) na net!

Sou agnóstico, portanto não penso mto na existência ou não de Deus, mas me alinho com os ateus na racionalidade e recusa em acreditar em histórias da Carochinha. Sou dos que acham que a religião, sobretudo as expansionistas como são a maioria das ocidentais, são um gde mal da humanidade e deveriam ser extintas, a bem de uma verdadeira evolução de nossa civilização em vários sentidos. Nem todo cético como eu tem princípios e ética, mas o mesmo se dá com os religiosos. Religião não dá bom caráter a ninguém, isso é algo que se tem ou não se tem. No entanto, os céticos, no geral, são mais honestos para consigo mesmos, mais francos em admitirem sua falta de fé no mto improvável, e mais corajosos em não fazerem lavagem cerebral em si próprios para desenvolver uma fé por conveniência (sim, porque a fé em geral é por conveniência, se formos analisar bem.) Em um filme mto bom que assisti, Crimes e Pecados, de Woody Allen, em dado momento alguém pergunta a um rabino o que ele prefere, Deus ou a Verdade. Ele prontamente responde: Deus. É o que acontece com uma gde parte das pessoas de fé. Nós céticos preferimos a Verdade, e isso faz toda a diferença.

Parabéns e.... BRAVÍSSIMO!

Lilly disse...

Muito obrigada, William, por ter admirado tão enfaticamente este trabalho.

Como já disse à Cynthia, logo acima de vc, também, qdo. solicitada a definir-me religiosamente, me digo e me sinto agnóstica, embora minha espiritualidade seja bem mais complexa do que isso.

Diferente de vc, não nego tanto as crenças alheias, apesar de realmente ser mto.cética qto. a crer no que, a mim, parece ilógico e improvável. O que não me impede de, em alguns momentos, também preferir Deus à Verdade.

Assisti a esse filme que vc fala e realmente é mto.bom. Essa cena a que vc se refere tb me marcou bastante, e não era maniqueísta, não condenava a escolha do rabino, e sim mostrava-o não como um guia espiritual, mais forte que seus seus fieis, mas como uma pessoa comum, frágil como qq um de nós e às vezes carente de ilusões - ou "mentiras sinceras", como canta o Cazuza. Confesso que, nos meus momentos de mais força e completude, busco a Verdade e dispenso ilusões. Na realidade, assim foi por um longo tempo, até que, bem recentemente, vi-me numa situação de mta.fragilidade e impotência. De qualquer modo, admiro mais que tudo a busca pela Verdade e me sinto como que fazendo concessões ao apelar por ajuda divina.

renato disse...

Mais uma vez, estão de parabéns pela excelente e emocionante postagem. É mesmo de arrepiar, como disse um colega acima. Bom, sou agnóstico, mas me identifico bastante com os ateus, portanto me identifiquei tb com esse texto tão elogioso a essa gente corajosa e verdadeira. Respeito toda e qq crença, mas sou mto.convicto da minha e espero respeito por ela, um respeito que mtas vezes não recebemos. Há quem pense que não ter fé em Deus é quase pornográfico, ou ainda pior do que isso. Foi realmente mto gratificante ler essas palavras que nos dignificam e reconhecem nossas virtudes, assim como ouvir a divina Aleluia de Haendell, mto em consonância com a necessidade de compreensão e tolerância entre os homens, sobretudo os diversos.

Lilly disse...

Oi, Renato!

Imagino o qto.deve ser difícil (e corajoso!) admitir-se agnóstico em uma terra como a tua. Os goianos são um povo mto. religioso e devoto. Se aqui no Sul já não é das coisas mais fáceis do mundo... eu, por ex., não posso falar sobre meu pensamento religioso nem sequer c/minha mãe, católica de carteirinha, que ela entra em crise existencial por saber que criou uma filha tão "herege" e "blasfema"... eheheheh Na cabeça dela é como se eu tivesse parte com o demônio ou coisa parecida... rsrsrs

Beijão (e beijokas nas pituquinhas)

Lilly disse...

QUERO CONTAR-LHES ALGO QUE UM AMIGO ME CONTOU HOJE:

Quando Häendell estava escrevendo o coro Hallelujah, do Messiah, seu camareiro foi servir-lhe chocolate quente e o encontrou em prantos, e om disse: "Não sei se eu estava em meu corpo ou fora dele quando escrevi isso, só Deus sabe!"

Katia Fontoura disse...

Olá, sou cristã, evangélica da igreja batista, com mto orgulho! Creio mto em Deus e tenho uma vida abençoada por ele. Não concordo e não aprovo quem diz que acreditamos em contos da carochinha, deveriam primeiro sentir o poder do Nosso Senhor e de Jesus antes de falarem essas bobagens.

Mesmo assim gostei mto destas palavras e da música, não desrespeitam os crentes ao mesmo tempo que conseguem nos transmitir um pouco do pensamento dos ateus. Mas nós cristãos tb somos mto perseguidos, deveria ser feito um tributo também a nós....... alguns atueus com arrogancia nos acusam de burros e fazem chacota de nós. Achei mto interessante o que contou Lilly, sobre o autor ter chorado enquanto compunha a música, por não saber se estava em seu corpo ou não, que só Deus sabia. E realmente, é tão bela e nos leva a sentir uma emoção que nos aproxima de Jesus e de Deus, nos leva para o alto e transmite a ideia do da autora de finalmente paz entre os homens por obra de Jesus e Deus.

Muita paz e alegria para todos

Lilly disse...

Olá, Katia!

Também não aprovo esse desdém e escárnio de alguns ateus pelos religiosos. Esses são pessoas radicais, insensíveis e incivilizadas que não aceitam, não compreendem o diferente e o procuram desvalorizar. Uma pessoa com verdadeira ética e boa índole passa longe dessas atitudes desrespeitosas. Mas sabemos que esse tipo de gente está em todos os lugares, inclusive nos meios religiosos.

Agradeço mto. tua apreciação do texto e da música, sobretudo por vc ser uma evangélica, que poderia desdenhar e até atacar a tese aqui apresentada e sua autora. Isso prova que é uma religiosa tolerante, de mente aberta e é sensível para música, um dom que nem todos possuem.

Norimar Ferraro disse...

Me contaram deste blog. Pensei que fosse só mais um, talvez até bonzinho, mas sem nada que fosse me chamar particularmente a atenção. Mas... que surpresa! O espaço é realmente show de bola, com uma proposta que me pareceu muito interessante.

Esta postagem... bem, já disseram quase tudo. Simplesmente de tirar picapau do toco. Todos deveriam ler, ateus ou não ateus. Vou até copiá-la e guardar.

Bom, sou ateu e agradeço demais a homenagem, acho que merecemos, porque muitos de nós somos tudo isso, nossa escolha é muito legítima e com grandes probabilidades de ser a correta, Deus me parece muito uma invenção dos poderosos para dominar e amansar as massas, assim como para oferecer confotto aos mais carentes. Porém, a despeito de toda a lógica dessa quase evidência, me surpreende que a maioria deste país seja religiosa (cristã), de modo que costumamos ser muito mal compreendidos e injustiçados, e o que é pior, por pessoas de mente e alma de ostra. A mediocridade aqui reinante é algo a lamentar... e a tentar modificar.

Showzaço o texto, a música e a autora. Além de respeitar nossa inteligência (e a dos crentes também, pelo menos os de mente mais aberta), sensibiliza nossa alma.

Beijão, Lica

Lilly disse...

Nori

Muito veemente a tua argumentação, o teu desabafo, muito veementes os teus elogios ao blog e a mim. Obrigada, amigo.

(Mas já disse, estão me mimando demais, vou mascarar... eheheheheh...)

Beijão pra ti também

Luana disse...

Sou católica não praticante, e atualmente estou conhecendo o espiritismo kardecista, onde tenho aprendido bastante, e, associado à minha fé em Deus e Jesus Cristo, muitas coisas mudaram em minha vida. Na verdade, não concordo com os ateus, por não acreditarem em Deus, que a meu ver é uma força superior que rege o universo e tudo que nele existe. Mas respeito a crença de cada um, assim como espero que a minha seja também respeitada.

Lilly disse...

Luana, obrigada por sua presença e expor sua opinião com tanta franqueza - o que não é tão comum assim e valorizo muito.

Percebe-se que você tem uma posição bastante segura de suas crenças.

Agora está conhecendo o kardecismo e diz já ter se beneficiado com ele. Respeito essa religião (que na verdade os espíritas dizem ser filosofia, ciência e religião), por não ser voltada ao lucro e ao poder, por basear-se nos princípios de evolução humana constante e prática da caridade, além de oferecer respostas reconfortantes para algumas dúvidas difíceis do homem. Mas confesso que tendo muito a não acreditar em comunicação de mortos com vivos nem em reencarnação, mas quem pode saber? A vida é um grande mistério.

Yuri Passos disse...

Tô de cara com o texto e a música, ambos se correlacionando em perfeita harmonia, compondo um todo ARRASADOR. Minha inteligência e meu espírito agradecem.

Vou lembrar Tom Jobim e Vinícius: "Se todos fossem iguais a você, que maravilha viver......."

O mundo ainda tem muito que girar até que as pessoas cheguem a esse grau de consciência e sensibilidade.

Tenho um site de variedades (ainda no início) e gostaria muito que a autora entrasse em contato comigo, pelo e-mail yuripas@pop.com.br para trocarmos ideias.

Ah, sou agnóstico.

Lilly disse...

Olá, Yuri

Que bom que consegui te impressionar assim e, sobretudo, tocar teu espírito.

Certamente que entrarei em contato, até porque fiquei muito curiosa pelo site.

Obrigada.

RMFilho disse...

Ser ateu ou religioso, eis a questão. A religiosidade pressupõe a existência de, pelo menos, um ser supremo, que a tudo rege, domina e designa. O ateísmo descrê isso. Não há ser supremo algum e o que rege, domina e designa a vida é uma série de fenômenos e relações, abastecidas pelo acaso. Mesmo sendo duas visões antagônicas e excludentes, uma vive com a outra desde o início dos tempos (humano, por pressuposto). Como? Desde que exista o livre pensar. Qual deus, qual caminho, qual senda, qual fenômeno, não interessa. Interessa sim é a busca da compreensão das coisas e o reconhecimento da incompletude dos fatos, e o respeito pelo que existiu, existe e existirá. Ninguém é mais, ou menos, que ninguém. Ou, ainda, nada é mais, ou menos, que nada. Nada apenas é. Tudo também.

Lilly disse...

Oi, Ruyzinho!

Já tava com saudade de você aqui, apesar de ter postado há não muito tempo (é que você tinha me mal-acostumado... rsrs)

Perfeito! A palavra chave é "respeito". Respeito pelas crenças do passado e do presente, respeito pelo grande mistério da existência, respeito pelo diverso, respeito pela vida, que, exista ou não um deus, é sagrada.

João Henrique Macedo disse...

Eu sou ex-evangélico (presbiteriano) e hoje ateu. Fui criado numa família evangélica e recebi essa religião por herança, mas mais tarde, qdo comecei a ter meu próprio discernimento, passei a questionar mto da doutrina protestante, assim como a Bíblia, a qual não considero "a palavra de Deus", por uma série de razões nas quais não quero me delongar agora, assim como não acho que esse livro seja a única fonte de informações sobre Jesus Cristo. Mantenho meus bons princípios, mas já não me intitulo um cristão. Não gosto aliás de rótulos; eu posso ter bons sentimentos, virtudes que Cristo pregava, mas não era ele o único: todas as filosofias e correntes de pensamento baseadas na prática do bem ensinam virtudes semelhantes, além de que tenho um bom espírito por natureza, não pq é ensinado aqui ou ali. HOje sinto-me mto mais livre e próximo da verdade, com menos culpas, menos obcecado com a idéia de perfeição (a qual todo evangélico prega, mas nem sempre vivencia), mais verdadeiro, sou um livre pensador. Vejo mto evangélico por aí adúltero, fanático por sexo, que usa mulheres, mentiroso, fofoqueiro, falso, intolerante, incapaz de perdoar, impiedoso, vingativo, bitolado, sacana de todas as formas. Sem falar na limitação intelectual, na lavagem cerebral que recebem e que os faz cegos à realidade, à evolução dos tempos, dos costumes e da ciência, assim como a algumas obviedades que qualquer criança com um mínimo de QI enxerga. Enfim, não acredito mais em papai noel, coelhinho da Páscoa e mula-sem-cabeça e consigo raciocinar por mim mesmo e com clareza, sem antolhos, sou uma pessoa melhor para mim e para os outros.

No mais, saúdo as belas e inteligente palavras e a música extraordinária, uma homenagem merecida aos ateus.

Abraços

Lilly disse...

João Henrique

Que curiosa coincidência: tenho um amigo também chamado João Henrique que também abandonou a herança evangélica p/tornar-se um ateu (um "desviado", como vcs chamam - pejorativamente, me parece.) Não foi e não é fácil a decisão dele, teve que enfrentar toda a forte resistência da família, o que lhe exigiu mta. coragem, determinação e persistência, além de algum conflito interno, já que alguns conceitos, por mais falsos que tenham se revelado a ele, estavam-lhe mto.arraigados e não foi nada fácil livrar-se desses vícios de pensamento.

Esse meu amigo, sentindo dificuldade em se libertar completamente do passado evangélico e "cair na vida real", como ele diz, resolveu fazer terapia, além de, a título de uma espécie de rito de passagem p/consolidar sua nova condição espiritual, ter tatuado no braço o desenho de um pequeno Ícaro, como símbolo do seu desejo de "voar", libertar-se, ampliar seus horizontes, alcançar maiores amplitudes.

Imagino que não deve ter sido fácil p/vc também, por isso tem mto.mérito a sua decisão (não estou defendendo os ateus em detrimento dos evangélicos, apenas admirando a sua coragem e determinação em ser você mesmo, a despeito de todas as pressões que deve ter recebido.)

Obrigada pelos elogios e pela presença aqui. Volte sempre, tá bem?

Abraços

Anônimo disse...

Fico muito triste por ler algumas manifestações atéias aqui,com soberba sobre pessoas religiosas,tachando-as (ainda que de forma sutil) de adestradas por templos,ignorantes por acreditarem em estórias da Carochinha,bitoladas e coisas assim)...


Claro que respeito este tributo - mesmo CONTINUANDO MUITO FELIZ NA MINHA FÉ PROTESTANTE, coisa que é de total direito meu e não me torno alienada nem adestrada SÓ por isso rs =P - só queria ressaltar que tbm falta tolerância e respeito de ateus pra religiosos, não só ao contrário como algumas pessoas tentam pôr (felizmente, não é o caso da Lilly).



Ass. > Nausicaa

Anônimo disse...

Cara colega, respeito a sua opção de ser ateu.

Agora..nesse texto está bem retratado como vc's são, Ok!

Entendo também que é fácil desdenhar, ironizar sobre qualquer assunto ao qual não botamos "fé", mas te pergunto,você alguma vez na sua vida, procurou conhecer sobre Deus ou tentou confiar n'Ele?!.

Quando me refiro a Deus, não é esse "deus" retratado por muitos como 'aquele' que castiga, que odeia os homossexuais, como'aquele' que faz troca com quem porventura te oferece algo(louvor,orações e coisas do tipo) ou mesmo um "deus" 'papai noel' que caso você se comporte bem ele dará tuuuuudo o que você deseja ou mesmo pediu pra ele,
Nãaaaaaaaaaaaaaaao mesmo!!!

Com Deus não funciona assim!!! .

Deus não é bobo e muitos menos passível de falsos louvores, promessas, orações e adoração.Da mesma maneira que você Luiza percebe quando estão te bajulando,sendo falsos com você pra ganhar algum favor ou presente, certo?!
Quando isso acontece por acaso você presenteia ou mesmo faz o tal favor pra pessoa?! NÃO né?! ^^

Tudo é conquistado e têm seus "sacrifícios"(quando menciono sacrifícios não quero dizer chicotadas, nem matar animais e etc..), mas sim algumas perdas necessárias que qualquer um tem quando quer obter algo na vida!
Na vida nem tudo acontece no mesmo minuto que queremos, não é mesmo ?! ;)

Deus não nos dá tudo o que queremos e quando queremos, pois imagine se recebêssemos TUDO aquilo que queremos, na hora que queremos e da forma que queremos, iria ser uma bagunça! rsrs..

Assim como os nossos pais têm essa sabedoria de não nos dar tudo o que pedimos, na hora que queremos,Deus obviamente também têm!

Acreditar em Deus, na Bíblia, não é ser religioso!!!

Religioso é aquele que se prende à uma religião, que se prende à símbolos religiosos. Mais um detalhe, as religiões são criações dos homens.

DEUS NÃO criou "placas" de igrejas ou mesmo religião a), b) ou c), mesmo por que religião por religião, o mundo têm muitas e muitos estão perdidos nelas e em seu erro de achar que TODOS os caminhos os levam a Deus ou mesmo ao Céu !!! #ERRO!!!

Está aí o erro..eles se prendem ao que as religiões os ensinam!,não leem a Bíblia, apenas escutam o que os líderes religiosos falam que é o certo e que é a tal verdade!

Porém se ao contrário de darem ouvidos à isso, eles lessem a Bíblia,não seriam tão cegos!, não permitiriam que a religião os cegassem!!!

Ahhhh... e não,NÃOOOO... são "todos" os 'caminhos' que levam a Deus!!! & NÃO EXISTE OUTRO INTERMEDIADOR OU INTERMEDIADORA ENTRE DEUS E OS SERES HUMANOS! O ÚNICO QUE TEM ESSE PODER É JESUS CRISTO, SÓ ELE MORREU NA CRUZ POR CADA MORADOR DESSE MUNDÃO! & MAIS SÓ DEUS SE FEZ HOMEM PRA NOS GARANTIR A VIDA ETERNA NO CÉU!!!


Deus é um paizão, Ele criou esse mundo em essência pra NÓS(não o mundo pós transformações humanas!)para que vivamos com plenitude, felizes e etc...

É só você reparar no mar, rios, lagoas, montanhas, campos floridos e frutíferos, pássaros e tudo o que há de belo no mundo na sua plenitude e essência!

O AMOR DE DEUS POR NÓS É INCONDICIONAL!

Postar um comentário

Clique dentro da caixa e digite seu comentário!

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Enterprise Project Management