segunda-feira, 20 de agosto de 2012

E por falar em Choro...



Talvez eu tenha andado realmente nostálgica, talvez sejam as tardes quentes e escuras de agosto, pode ser que ligar o rádio às vezes me cause desgosto, não sei se sou eu que me desatualizei, fiquei mal acostumada, sei lá!
O fato é que tenho procurado cada vez mais ouvir música de "antigamente", quando as músicas mereciam ter esse nome e, seus intérpretes, idem.
E muita, muita gente boa tem ido embora nesses últimos e difíceis tempos do nosso cenário musical.
Não, não sou pessimista. Ao contrário! Até espero e torço para que novos ventos soprem trazendo choros, sorrisos, flautas e músicas maravilhosas, como o chorinho de Altamiro Carrilho.

Demos adeus, no dia 15 de agosto, ao grande músico, compositor e flautista Altamiro Carrilho, aos 87 anos, no Rio de Janeiro.
Considerado pela crítica especializada como um dos maiores flautistas (senão o melhor), Altamiro gravou cerca de 200 (!) canções, sempre levando ao mundo a música brasileira, em especial o chorinho, gênero musical popular e instrumental brasileiro.
Começou a carreira ainda muito jovem, tocando flautas de bambu em Santo Antônio de Pádua, sua cidade natal, sempre impressionando os ouvintes com sua incrível habilidade e capacidade de improvisação - marcas do chorinho.
O reconhecimento popular veio quando o músico ganhou um prêmio no programa de Ary Barroso, com a interpretação de "Carinhoso",  aos 14 anos...e ao som de Carinhoso, tocado pela Lira Operária de Santo Antônio de Pádua, foi realizado seu velório.
Ressaltamos seu disco "Clássicos em Choro", pelo qual recebeu o Troféu Villa-Lobos, como melhor disco instrumental.
Definitivamente e eternamente um nome consagrado na Música Popular Brasileira, Altamiro Carrilho merece ser lembrado, reconhecido e homenageado por todos, pela geração atual, tão carente de bons exemplos musicais, assim como pelas gerações vindouras.
Não só lembrado, mas um grande exemplo e inspiração, mostrando que nem só de tchus e tchás, lê, lê, lês, "facilidades musicais abomináveis" e afins é feita a nobre Música Popular Brasileira.
Ao Mestre da flauta transversa, o nosso muito obrigado e descanse em Paz!

Altamiro Carrilho - Clássicos em Choro Volume 2:

Máquina de Escrever
Valsa do Minuto
Badinerie
Humoresque
Dança Eslava
Minueto do Divertimento n° 11
Czardas
Marcha Turca
Sonata (4° Movimento) (Bach)
Liebs Freud
Serenata dos Milhões de Arlequins
Contos de Hoffmann

Reações:

14 comentários:

Lilly disse...

Ah, Renatinha...

Que bom te ver por aqui... Aliás, foi no melhor momento possível, pq eu também estava um tanto nostálgica (devido a uma decepção c/uma pessoa.) E, sabendo o qto.vc é gente fina, confiável, o qto. os sentimentos mesquinhos passam longe de vc, respiro um ar mais leve, mais cheiroso, lembro que sim, dá pra ter esperança no ser humano...

Mas... Nossa, o Altamiro Carrilho morreu? Não sabia... Tão doce, sensível e cálida sua flauta... Assim como ele... Engraçado, ouvimos algumas músicas e quase pensamos que os artistas são eternos... Felizmente, ele tem uma obra bastante grande para termos mto. que ouvir dele...

Beijão

Flor disse...

Uma bela homenagem a esse maravilhoso representante da boa e maravilhosa música brasileira. Altamiro Carrilho. Lembro-me de quando jovem eu assitia a um programa muito bacana produzido pela TV Globo que chamava Som Brasil...tinha como apresentador Rolando Boldrim. Era um programa semanal e passava nas manhãs de domingo...meu pai não perdia um...e foi com ele que aprendi a admirar Altamiro Carrilho que de vez em quando dava um show!

Mais um artista de primeira qualidade se foi...Agora ele se junta a uma turma muito bacana , como por exemplo, Pixinguinha e cartola!
O sarau no céu deve estar maravilhoso!

Marlon Sérgio disse...

Emocionante, Renata, sua sensibilidade em prestar esta homenagem a esse fantástico músico aqui no Lero. Há alguns meses eu cheguei a rascunhar algo sobre nosso querido Tinoco que também foi abrilhantar esse bendito sarau a que Eliana se referiu, mas acabei deixando pra depois e depois, quando percebi já havia passado duas semanas ou mais.

Aproveito pra dizer que Altamiro, assim como Tinoco, foi um desses iluminados seres musicados que contribuíram muito pra que nossa música se tornasse uma das mais ricas e belas em todo o mundo.
Parabéns e obrigado por teu apuradíssimo bom gosto musical e por nos privilegiar com este artigo tão cheio de emoção e também dos mais justos e oportunos possíveis.

Bjão...

Roni Sauaf disse...

Aí, neguinho pensa que só pq se faz rock, no meu caso heavy metal, não passeamos por outras praias. Veja por ex o Lobão que curte mto Nelson Gonçalves, era inclusive bastante camarada dele, e outros da velha guarda. Seria mto limitado para uma pessoa que curte música acima de tudo ficar restrito a um só estilo, e assim eu acho mto maneiro o som do Altamiro Carrilho e outros na mesma linha. Mas morreu e eh uma gde pena....... eh aquela história, ficam os pagodeiros, sertanojos e axezeiros da vida e os bons se vão...... mas naum há de ser nada, nós da resistência naum damos chance ao lixo musical neste país. A mídia que se lasque e engane quem quiser menos a nós.

Letícia Rangel disse...

Altamiro Carrilho, Baden Powell, Dominique Frasca... lembro desses três do meu tempo de estudante de comunicação visual... eram praticamente os únicos que tocavam no meu gravador (é, fitas cassete, tinha disso, alguém lembra? rsrs) Enquanto rabiscava meus desenhos, ouvia os três, e me marcou mais essa época Altamiro, com seu som doce e sereno... que coisa linda uma música chamada Serenata dos Milhões de Arlequins, não acham?... somente alguém com uma alma mto especial para pensar em algo assim. Ele se foi? Não, continua comigo, conosco, de uma forma que nenhum desses engodos que hoje vendem discos aos milhares ficarão.

Unknown disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Terre Nunes disse...

Eis a diferença entre música e engodo. Competência na interpretação, repertório variado e impecável e o grande carisma do artista.

Realmente, a música de Altamiro Carrilho tem um quê de melancolia, mas também o toque da excelência e a melhor cara do Brasil, aquela que olha de frente, por não ter nunca se deixado prostituir pelas facilidades de produzir música vendável, porém de baixa qualidade.

Saudades, velhinho. Vá com Deus e descanse em paz.

Bárbara Schinider disse...

Adorei a postagem. Aliás, tenho gostado muito da linha de edição do blog, que não tem a formalidade e o 'gesso' de edições comerciais, mas tem jogo de cintura, espontaneidade e muita criatividade.

Gostaria de participar mais assiduamente do Lero Musical, pois os artigos são de muito bom gosto e bem escritos. Mas quero falar também da qualidade dos comentários, cheios de informações por pessoas que realmente sabem valorizar toda nossa riqueza e diversidade musical.

Por exemplo: Marlon fez referência a um de nossos maiores representantes da verdadeira música sertaneja, grande TINOCO, que juntamente com TONICO escreveram valiosíssimas páginas de nosso cancioneiro popular; Roni menciona nosso polêmico e talentoso LOBÃO como um fã do saudoso NELSON GONÇALVES; Flor lembrou bem de um excelente programa de televisão, SOM BRASIL, apresentado por outro ícone da cultura cabocla, nosso versátil poeta, cantador e contador de causos, compositor, escritor, o queridíssimo ROLANDO BOLDRIN - Senti daudades -.

Letícia Rangel trazendo mais referências de peso com nosso maravilhoso BADEN POWELL e, por fim, Terre Nunes levantando a questão da PROSTITUIÇÃO MUSICAL verificada, sobretudo, entre excelentes intrumentistas que, em consequência da desvalorização da MPB, optam por fazer uma música de péssima qualidade compondo bandas que reúnem talentosos e produndos conhecedores de música, pra acompanharem Latinos, Restarts, Luans, Rodriguinhos, Calypsos e Limas da vida e mais uma infinidade de 'estrelas' dessa sufocante constelação que paira sobre nossas cabeças... (horror), e creeem ser representantes da música brasileira. Demanda sem qualidade, oferta compatível.

Gostaria, portanto, de referenciar e reverenciar um dos maiores instrumentistas desse país, que também se foi há alguns anos, que foi um gênio, um cientista da sanfona, maestro, arranjador
M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O, esse sim, estrela de primeira grandeza, queridíssimo SIVUCA.

Mas, como bem disse Roni, entre tchus e tchas, tetereretetês, e etc..., nós fazemos parte de uma brava resistência pelo resgate e pela valorização da autêntica e incomparável MÚSICA BRASILEIRA.

Fazendo uma análise de apenas uma das postagens e de alguns comentários feitos até agora. Tá ficando muito legal esse blog.

Parabéns, Renata. Parabéns, Marlon, Lilly e todos os demais participantes.

Leonardo disse...

A vida é feita de ciclos, que se encerram com o final da vida. O grande segredo é deixar um bom legado para os que vierem na sequência, para que tenham a chance de aprimorar o que já existia e fazer algo ainda melhor. Claro que a genética não vai passar de artista para artista, mas, a arte com que tocavam, uma vez registrada, pode servir de instrumento para que as novas gerações consigam entender o que era capaz de ser tocado. Não vou nem falar do som doce das flautas, mas, preciso dizer que é sempre uma lástima perder um mestre daquilo que a gente gosta.

Carla disse...

Alguém pode pensar que flauta é um instrumento fácil de tocar..... fácil??? Nos tempos em que eu estudava piano aprendi um pouco e posso garantir que pelo menos no início é mais difícil que o próprio piano, onde as notas já estão prontas, redondinhas, basta percuti-las...... Já a flauta exige uma imensa habilidade em produzir cada nota, cada acorde, cada canção, além de saber como sopra-la para que o som saia límpido e melodioso. Como dizia um personagem do filme The Commitments - Loucos pela Fama, o instrumento de sopro é como uma boca de mulher que deve ser beijada de forma suave e ao mesmo tempo firme, com precisão e sensibllidade de expert. Se tocar corretamente esse instrumento já é um gde feito, imaginem ser o melhor nele! Não é pouca coisa, denota mto estudo, mta prática e mto talento. Mas nem precisava dizer tudo isso pra se saber que Altamiro Carrilho era e é um mestre em sua arte. Mas ele se foi, como se vão todos, e foi em boa idade, aproveitou a vida e bem aproveitada. É só masi um que se vai, restando a nós a esperança de novos talentos possam vir na sua esteira, ainda que cada perda seja irreparável. E mais que isso, prestigiarmos os bons que ainda restam, e em vida, para não termos que chorar mto a sua partida.

Rudger disse...

A doce flauta do doce Altamiro Carrilho... que lembrança feliz, que postagem ótima, o blog continua maravilhoso. Lembro do músico num espetáculo que passava aqui em Curitiba, no Teatro Paiol, chamado "Parcerias Impossíveis", onde reuniam-se duas figuras de destaque de áreas bem diferentes para trocarem ideias. A pessoa que iria debater com ele era nada menos que Joelmir Betting, o economista. Todos pensavam que Joelmir daria de goleada, mas, para surpresa de todos, foi justo o contrário: o músico deu show, não só em conhecimentos gerais como em carisma, bom de conversa e contar "causos" que era.

Welington disse...

Mto boa lembrança......... Ele cumpriu sua etapa bem cumprida. Que siga agora seu caminho em paz e luz. Sugiro que falem mais de música brasileira por aqui. No mais, tudo perfeito, só tenho a dar meus parabéns.

Jose(cidinho)phoenix disse...

Não conhecia o musica,mas flauta e um dos instrumentos que mais gosto. Com certeza ele fara falta,mas graças a tecnologia se pode imortalizar a arte destes grandes mestres, que com sua sensibilidade encantam e transformam uma melodia em um suave poesia que vai de encontro ao íntimo de cada coração que é apaixonado pela arte...

Anônimo disse...

Puxa,eu AMOOO som de flauta e amo choro ...


adorei este tpc,já tinha lido sobre este músico num jornal, linda homenagem à ele aqui no blog !

Ass. > Nausicaa

Postar um comentário

Clique dentro da caixa e digite seu comentário!

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Enterprise Project Management